Arrecadação de Macau em maio e junho cai 34% em relação a igual período do ano passado

Enquanto parte da oposição celebra o questionamento feito pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte – MPRN contra o prefeito Tulio Lemos, inclusive comemorando a possibilidade de o gestor ter que demitir país e mães de família num município aonde a população clama por mais emprego, o gestor municipal se esforça para manter permanentemente em pleno funcionamento todos os serviços oferecidos à comunidade e continua em busca de novas receitas para viabilizar um equilíbrio nas finanças.
Para se ter uma ideia do que é conviver com as constantes quedas na receita municipal, a Secretaria Municipal de Administração e Finanças forneceu os números das arrecadações brutas nos bimestres Maio/Junho de 2019 e 2020. Em 2019, quando a folha de pessoal era vegetativamente menor que a atual e os insumos com preços menores que os atuais, o bimestre Maio (R$ 5.547.423,00)/Junho (R$ 5.085.518,00) registrou uma arrecadação (ICMS, FPM e Royalties) de R$ 10.632.941,00. Neste ano de 2020, as mesmas rubricas, em igual período, no bimestre Maio (R$ 3.819.062,00)/Junho (R$ 3.216.191,00), registraram arrecadação de R$ 7.035.253,00, representando uma queda de 34% (Trinta e Quatro por cento).
Sobre os questionamentos do MPRN contra a gestão municipal, tome-se por base, como exemplo, o mês de Maio/19, quando o gasto com pessoal (Efetivos, Eletivos e Comissionados)em torno de 3 milhões e 500 mil reais que relativamente com a arrecadação de R$ 5.547.423,00, representava 63% e já estava acima do Limite Prudencial permitido que é de 54%, significando que já seria necessário cortar quase 400 mil na folha de pessoal. Agora, a situação é bem pior, mesmo que leve em consideração o mesmo valor com gasto de pessoal do ano passado. Teria-se um gasto de 3,5 milhões de reais com pessoal e a arrecadação de 3.819.062,00, representaria quase 92% do Limite Prudencial, sendo necessário um corte na folha de pessoal de mais de 1 milhão e 300 mil reais.
Para o prefeito Tulio Lemos, “a banda podre da oposição de Macau está vivendo dias de glória com esse quadro financeiro que estamos enfrentando, mesmo sabendo que para corrigir essas distorções, fora alcançar novas receitas, a solução única é a de fazer demissão em massa, inclusive alcançando os Efetivos o que, verdadeiramente comprometeria todos os serviços prestados à comunidade. Mas o nosso objetivo é outro e juntamente com as autoridades constituídas encontraremos a solução para esse problema de se exceder o limite prudencial. Em relação a receitas, se Deus quiser, teremos surpresa brevemente.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *